RCO participa da Conexpo Latin America no Chile

Feira e congresso começam dia 21 de outubro em Santiago. Foco da empresa é divulgar soluções que estão fazendo sucesso no Brasil e que podem ser adotadas nos países vizinhos

Com previsão de crescimento de 20% em 2015, a RCO está na contramão da crise econômica atual. A estratégia da empresa – de ganhar participação de mercado no Brasil, com novas soluções personalizadas e com um pós-venda diferenciado – vai ser apresentada aos potenciais clientes latino-americanos a partir do dia 21 de outubro. A fabricante brasileira participa da Conexpo Latin America, que acontece em Santiago, capital chilena, durante quatro dias.

“O mercado latino-americano, principalmente o da América do Sul, é interessante para o tipo de equipamento que temos fabricado”, explica Carlos Donizette de Oliveira, diretor da RCO. Segundo ele, ao incorporar alta tecnologia e equipamentos para segmentos personalizados, a RCO vem ganhando espaço no Brasil. Na avaliação dele, a mesma estratégia pode ser replicada nos países vizinhos, com as devidas adaptações.
O primeiro passo já foi dado. Há três anos, a RCO tem exportado equipamentos para a Bolívia: duas centrais dosadoras CDR-30-RS – uma em 2013 e uma em 2014. Já em 2015, a segunda central recebeu um upgrade, com a implementação de um descarregador de BIG-BAG com balança. Também neste ano, uma CDR-60, da RCO, saiu do Brasil com destino ao país vizinho.


Novos equipamentos para novos mercados, inclusive da América LatinaUm dos destaques que a equipe da RCO deve mostrar no Chile são as soluções compactas para empresas que começam a entrar no mercado de produção de concreto. Entre elas, a Central Dosadora de Concreto Móvel Nomad D-20 e o Silo Aparafusado Vertical com diâmetro de 3000 mm.Nos dois casos, a principal característica é a mobilidade. O silo, por exemplo, com montagem aparafusada permite que seja deslocado, rapidamente de uma obra a outra, diferenciando-se dos modelos montados com solda. Além disso, a logística para transporte destes novos equipamentos é reduzida, pois eles podem ser movimentados em contêineres. Já a Nomad D-20, com produtividade em 20 m³/h, pode substituir centrais dosadoras tradicionais. A linha de centrais dosadoras NOMAD RCO ainda conta com modelos de produtividade de 30 e 40 m³/h.

Tecnologia de ponta já adotada no Brasil

Além de novas soluções, a RCO vai destacar soluções inovadoras já adotadas no Brasil. É o caso do silo horizontal, cuja maior vitrine brasileira é a construção da Linha 4, do Metrô do Rio de Janeiro. Três deles estavam alocados na obra e foram especialmente desenhados em função da limitação de altura dos túneis da via em construção.

A eficiência do equipamento é garantida pelo sistema de extração de material exclusivo da RCO, onde o processo é realizado através de rosca transportadora tipo calha. Essa tecnologia oferece escoamento perfeito do material devido ao contato que ele tem com a rosca transportadora ao longo de todo o percurso do helicoide (hélice), presente na parte inferior do silo.

Dispositivo garante maior segurança aos silos

Outra novidade da RCO é o dispositivo que aumenta a segurança da operação de silos verticais e horizontais da própria marca ou de outros fabricantes. O sistema inclui sensores, painéis eletroeletrônicos e avisos sonoros, indicando os níveis de armazenagem do silo. A tecnologia também monitora a ocorrência de excesso de pressão no interior do equipamento.

Com esses dados, os técnicos e responsáveis conseguem evitar possíveis riscos de explosões ou implosões, acidentes com colaboradores e entupimentos de filtros. Além da segurança dos operadores, o dispositivo de segurança amplia a durabilidade estrutural do silo. “O risco de explosões sempre deve ser avaliado, principalmente em locais fechados como os túneis, mas a instalação do dispositivo é opcional”, detalha Oliveira.

Projeto FIT avança como novo formato de negócio

Primeira no Brasil a oferecer um processo completo para instalação de concreteiras, incluindo planejamento, processos e equipamentos eficientes, a RCO tem um modelo diferenciado.

O escopo do Projeto FIT inclui consultoria completa para dimensionamento do negócio, incluindo escolhas logísticas, definições dos equipamentos e treinamento de mão de obra. Esta inovação envolve ainda um roteiro completo de informações necessárias para o planejamento estratégico na montagem de plantas para produção de concreto usinado.

O FIT está apoiado em três pilares: inteligência, economia de recursos e redução no período de implantação. Entre os principais serviços, o FIT oferece estudo de viabilidade econômica e elaboração do planejamento estratégico, incluindo aspectos de marketing, organograma e projeções de fluxo de caixa.

“Ainda engloba projeto arquitetônico, instalação e start-up dos equipamentos e construção de prédio administrativo”, completa Oliveira.